HOME / COMUNIDADES / São Jacó
 
São Jacó
 

Fundação – 1925

As terras  de São Jacó, Pedras Brancas e São Roque, pertenciam a Jacó kroeff,  a Fazenda Pedras Brancas, que doou e viraram loteamentos. Os primeiros habitantes começaram a construir suas moradias e consequentemente suas Capelas para se reunir e rezar.

Houve também uma migração de italianos, que compraram lotes de terrenos particulares e que formaram as comunidades de São Jacó, Santa Catarina e São Roque. Começou a partir de 1906 esta colonização tardia de Pedras Brancas (região de terras cujas 66 lotes rurais e particulares foram feitos pelo senhor Jacó Kroeff além da migração de famílias vindas dos assentamentos de 1875- Caxias do Sul.

Devido a região estar cobertas de árvores chamadas araucárias, dezoito serrarias se instalaram na região de Pedras Brancas.

São Jacó: registro dos primeiros habitantes

Bolzan Augusto

Brochetto Luiz

Biondo Antonio

Costa João

Corso Joaquim

Corso Antonio

Durante Luizin

Dal Zotto Pedrot6t

Decorli José

Fiamengui Luigi (il Primo) Possui a escritura mais antiga das terras        

Fachin João

Fochesatto João

Marchesi Natal

Rizzon Joaquin

Stedille Joao

Scain João

Sperandio Antonio

Stedile Valentin

(Registro  coletados do Livro Museu de São Marcos seis mil peças para a história).

A construção da primeira Igreja

Em 9 de março de 1925, Pedras Brancas (Santa Catarina e São Jacó) recebeu da esposa de Jusfin Soldatelli uma imagem de N.S. de Lourdes e ficou estabelecido que as duas comunidades construiriam uma capela, conjuntamente, perto do rio Redondo.

No livro a História de São Marcos consta,  que Augusto Bolzan lembrou que no batizado de Francisco Stedille o padre Henrique Compagnoni interpelou o pai do batizando, Valentin Stédille, a respeito do projeto da capela, como só haviam conversações e nada de concreto ainda, o vigário autorizou Stédille a dar inicio a uma capela. Decidiram fazer a construção da 1ª Igreja de  São Jacó.

Reuniram-se então Augusto Bolzan, João Stédille, João Costa, Antônio Sperandio, João Fachin e Natal Marchesi . Iniciaram a obra na mesma semana, sem consultar os moradores de Pedras Brancas.

A pequena construção, de 7m por 12m, foi erguida em terreno doado por Valentin Stédille e situava-se ao lado da Igreja atual.O altar era de pinho, muito simples.

Jacó Kroeff havia prometido que doaria uma imagem se São Jacó para ser venerada na primeira igreja que surgi-se nas terras de seu domínio, por isso São Jacó recebeu a estátua com o mesmo nome, e também a N.S. de Lourdes.

Registros:

A extinta Escola de 1º grau incompleto “Guia Lopes”

A Escola surgiu de uma necessidade de verem os filhos estudarem e não haver local para isso. Foi feito um mutirão de voluntários e assim construíram o primeiro prédio da Escola Municipal de 1º Grau Incompleto Guia Lopes, ao lado do antigo salão, cujo nome herdado do herói do Exército Brasileiro Jose Francisco Lopes, nascido em São Roque de Minas Gerais em 26/02/ 1811. Foi criador de gado no Mato Grosso do Sul, divisa com Paraguai, onde  ocorreu a Guerra do Paraguai. Gostava de excursões e de lugares nunca antes tocados por pés humanos. Após a Guerra do Paraguai eclodir alistou-se voluntariamente no Exército Brasileiro para guiar as tropas  em ofensivas no território paraguaio, a qual foi um fracasso, mas sua atuação foi decisiva para que a tragédia não fosse maior. Faleceu em 1867, quando chefiava as tropas de Camisão.

A primeira professora convidada a lecionar foi Aurélia Peretto Stédille de 1933 a 1934, mais tarde substituída pela professora Paulina Soldatelli Moretto de 1934 a 1936, outras professoras seguiram o mesma caminho,  as últimas professoras a trabalhar neste estabelecimento foram Assunta Spigolon Susin, Zenilda Fachin, Salete Capeletti Bett, Marilene Bolzan e Silvana Marcolin até o dia 1º de março de 1995 onde esta foi centralizada na Escola Estadual de Ensino Fundamental “Giácomo Sandri”.

Hoje a comunidade tem aproximadamente 50 famílias de moradores, com mais algumas famílias que possuem moradias para passar o fim de semana, de várias outras cidades. O sustento familiar vem principalmente da agricultura.

No ano de 2010 a comunidade recebeu as Missões Populares e em 2016, a visita pastoral do Bispo Dom Alessandro Ruffinoni.

A comunidade realiza uma festa anual em honra São Jacó e nossa Senhora de Lourdes e outros eventos ocasionais. Ocorre uma missa e a celebração da Palavra uma vez por mês. O salão é aberto algumas noites para os jogos de futebol.

 
Bom Pastor - Bairro Bela Vista
Menino Jesus - Bairro Henrique Pante
Nossa Senhora das Graças - Linha Tiradentes
Nossa Senhora de Caravaggio - Linha Tuiuti
Nossa Senhora de Fátima - Linha Edith
Nossa Senhora do Trabalho - Bairro Progresso
Sagrada Família - Bairro Polo
Sagrado Coração de Jesus - Bairro Santini
Santa Bárbara - Bairro Industrial
Santa Catarina - Pedras Brancas
Santana
Santo Antônio Polidoros
Santo Antônio Zamoner
Santo Estanislau e Nossa Senhora do Carmo
Santo Henrique
Santo Izidoro - Linha Zambeccari
São Cristovão - Bairro Michelon
São Francisco Xavier - Linha Riachuelo
São Gotardo - Linha Marechal Deodoro
São Jacó
São José Operário - Bairro São José Operário
São Judas Tadeu - Bairro Tapejara
São Luiz
São Roque
 
NAVEGAÇÃO
  HOME
  QUEM SOMOS
  COMPLEXO PAROQUIAL
  GRUPOS PAROQUIAIS
  PASTORAIS
  COMUNIDADES
  SACRAMENTOS
  AGENDA
  CONTATO
PARÓQUIA DE SÃO MARCOS
 
Rua Osvaldo Aranha, 1058 - 95190-000 - Centro
São Marcos - RS - Brasil
Fone: (54) 3291.1262 - 3291.1366

paroquiamarcos@gmail.com
 
Desenvolvido por ONGATE